Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Rebeubeu, Pardais ao ninho

Rebeubeu, Pardais ao ninho

Março 26, 2020

IMG_20200326_000144_resized_20200326_073526489

Acho que já está farta de nós e desta quarentena. Nunca mais a deixámos dormir aquela sestinha da manhã, à hora a que costumamos sair. Como cão, tem a missão de nos seguir para todo o lado, mesmo que seja do quarto para a casa de banho e estes donos, são muito irrequietos. Um levanta-se para ir fumar, o outro para ir à casa de banho, depois, novamente, o outro para ir beber água. O ritual repete-se. Começa por lavar minuciosamente as suas patas para que estejam incólumes e ali possa poisar a cabeça, encosta a cabeça, suspira e quando está ali naquele limbo, pumbas, um levanta-se. Outra vez. Forçando a sujar as suas patitas e recomeçar tudo de novo.

Estão em casa, como se fosse sábado ou Domingo, mas separados. Cada um no seu computador, cada um na sua divisão da casa. Os primeiros dias, passava-os a correr de uma divisão para a outra, verificando o estado de cada. Depois fartou-se e passou a seguir só um, a dona. Eu.

Não gostou que lhe tivesse mudado a cama para o meu lado, no escritório. Não gosta que se mudem coisas de sítios, por isso, em forma de protesto, no primeiro dia, deitou-se em todas essas suas tentativas para dormir, ao lado da mesma. Eventualmente, rendeu-se.

IMG_20200319_101516_resized_20200326_073527106IMG_20200319_170209_resized_20200326_073527665

 

Gosta, mais que nunca, de ir à rua. A relva sempre vazia, sem perigos iminentes à volta, como pessoas e outros cães, podendo assim disfrutar dos milhares de cheiros. Associa este facto à mudança de casa que fizemos uma semana antes de declarada esta pandemia, mas verdade seja dita, quarentena ou não, nada nunca baterá o número de pessoas, cães e atividades da Alameda.

Sabe que algo está diferente, não só pela constante presença dos donos, mas pelas suas inquietações. Porque se levantam antes de tocar o despertador, porque limpam a casa o tempo todo, porque cozinham muito e porque passam a vida a pôr um tubinho branco debaixo do braço, que retiram quando faz um zumbido que lhe aleija os ouvidos. Até hoje, suspiram sempre de alívio.

Certamente irá a estranhar a falta de companhia quando tudo passar e quando, nós, os donos, voltarmos às nossas rotinas, mas agora? Agora só quer lavar as patitas num ato único e dormir uma sesta de seguida. Prioridades.

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D